Nós convivemos com fungos todos os dias. Você sabe que existem aqueles que nos atrapalham, como o bolor no pão, e também aqueles que nos ajudam, como os cogumelos que comemos. É graças aos fungos que nós temos diversos tipos de queijos, fermentos, molho shoyu e as bebidas fermentadas como cerveja, vinho e champagne. Mas os fungos não são úteis apenas na alimentação! Eles estão se destacando como excelentes ajudantes para eliminar a poluição!

Biorremediação, como o nome já diz, significa remediar, “consertar” algo que está errado no meio ambiente. Os fungos são bons para biorremediar porque eles conseguem se desenvolver sob condições de estresse ambiental, ou seja, em ambientes onde outros seres vivos teriam dificuldade para sobreviver. Além disso, os fungos são degradadores naturais!

Você sabe como os fungos se alimentam? Eles produzem enzimas e as lançam sob plantas, organismos mortos… Essas enzimas degradam o substrato até que os fungos consigam absorver os nutrientes. Então, se os fungos são bons em degradar coisas, porque não utilizá-los para degradar poluição? É isto que muitos pesquisadores têm estudado!

Minha pesquisa no mestrado girou justamente em torno desta teoria que já vem sendo confirmada. Minha pesquisa era a seguinte: As gráficas de embalagens usam diversos corantes. Eu trabalhei com o efluente de uma gráfica que continha um corante vermelho chamado rodamina. O objetivo era usar os fungos para tirar essa cor vermelha da água para que ela pudesse ser lançada de volta no rio sem riscos de contaminação.

Os fungos utilizados foram os basidiomicetos (parentes dos nossos cogumelos comestíveis) degradadores de lignina. A lignina é um composto que existe nas paredes das células vegetais dos troncos das árvores, madeira! Foram usados estes fungos porque a molécula do corante rodamina é muito parecida com a molécula de lignina. Então, se os fungos degradam a lignina, porque não o corante?

Expedição Vida - moléculas de lignina e rodamina

Montamos uma espécie de reator/filtro, onde o efluente vermelho ficava em contato com os fungos. Depois de um certo tempo, podia-se ver o resultado! Quase não se observava mais corante vermelho. A tonalidade amarelada da água é devido a pupunha, onde os fungos foram cultivados, sem toxicidade.

Expedição Vida - efluente com corante tratado com fungos

Bom, o que escrevi aqui foi um resumo bastante grosseiro da pesquisa, apenas para mostrar mais uma utilidade dos fungos e uma forma de recuperarmos estragos feitos à natureza. Foram analisadas diversas variáveis, quatro espécies de fungos e vários testes para saber se esse efluente tratado estava mesmo dentro das normas legais para voltar ao ambiente. Até o nitrogênio amoniacal total foi reduzido com a ação dos fungos. Quem quiser saber mais detalhes, é só entrar em contato!

 Expedição Vida - pesquisa com efluente colorido e fungois

Não é incrível o poder da natureza? O homem tem que recorrer a ela até para limpar a sujeira que faz! Hehe

2 respostas para “Fungos como biorremediadores – você sabia que os fungos podem descolorir água?”

  1. Pilar disse:

    Gostaria da referência bibliografica festa dissertaçao! Muito interessante. Parabéns!

    • Expedição Vida disse:

      Oi, Pilar! Esta é a referência desta dissertação:

      SOUSA, M. L. F. Estudo da descoloração de efluente contendo rodamina por fungos basidiomicetos cultivados em sistema contendo resíduo de pupunha. Dissertação para o Mestrado de Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau (FURB). 67p. 2014.

      Ela pode ser encontrada na biblioteca online da FURB. Mas para facilitar, envio o arquivo para teu e-mail.

      Um abraço!

Deixe uma resposta

Newsletter

Curta nossa FanPage